claustrofobia

O que é claustrofobia? Descubra agora

É comum hoje em dia ter algum problema psicológico – claro que nada grave -, mas na maioria das vezes, a nossa rotina e o dia a dia são interferidos por esses contratempos, e um deles é a claustrofobia. Hoje o nosso objetivo é fazer com que você entenda sobre essa fobia social.

Em termos gerais, queremos deixar claro que esse não é um texto específico para que você realize o seu diagnóstico. O mais correto a se fazer, e a nossa recomendação, é que se procure uma ajuda médica de um profissional da área de Psicologia.

E como todo transtorno, cada um possui uma intensidade diferente sendo cada tratamento diferente e personalizado, para que esteja de acordo com a realidade do paciente. Isso é para reforçar a importância da ajuda médica, afinal esse profissional está com a sua capacitação pronta para lhe atender no que for preciso.

claustrofobia

Vamos compreender agora sobre o que é a claustrofobia e como identificar, assim você pode aplicar esses conhecimentos com pessoas próximas, inclusive para ajudar.

Entendendo a claustrofobia

Podemos entender que a claustrofobia é uma fobia que está ligada a uma situação de ambientes fechados ou de difícil saída. Esse problema é bem comum na verdade, e o que costuma diferir um paciente de outro é a gravidade desse problema, podendo ser o gatilho uma sala pequena ou multidões, tudo depende.

A pessoa que passa por esse contexto, sofre com constantes ataques de pânicos ou até mesmo o receio de ter esse ataque. Esse cenário interfere diretamente nos hábitos corriqueiros de uma pessoa, podendo impedir de executar responsabilidades simples e que já esteja acostumado.

O problema é quando esses transtornos chegam a esse nível, de conseguir atrapalhar a vida do paciente. A pessoa costuma não aproveitar bons momentos com a família ou amigos, mantendo sua vida social como última opção sempre.

Entendemos também que um momento preocupante é quando o paciente está tendo uma crise claustrofóbica dentro de um lugar fechado, e está impossibilitado de ir embora. Todo esse contexto de locais confinados agrava os sintomas, deixando a pessoa ainda mais desconfortável do que está. 

Como é para uma pessoa passar por essa situação?

O primeiro ponto negativo de ser claustrofóbico é o que citamos acima, em relação a vida social e a comemoração das conquistas. Essa pessoa não consegue ficar feliz e chamar pessoas próximas para passar essa felicidade, pois fica preocupada com lugares fechados.

O dia a dia dessa pessoa já é complicado por si. Mesmo que não esteja em um lugar fechado propriamente dito, ela fica com esse receio de sempre estar suscetível a ter que frequentar um ambiente pequeno e de difícil locomoção (entrada e saída).

Objetos que possam dificultar a respiração, como máscaras, também costuma ser um problema para esse paciente. O que queremos explicar é que esses ataques não acontecem somente quando a pessoa está em um ambiente fechado.

Se você se identificou com qualquer um dos sintomas ou situações descritas acima, é fundamental entrar em contato com um profissional da saúde o quanto antes possível para que o desconforto não se agrave com o tempo. 

A claustrofobia pode ser tratada e ter os seus sintomas reduzidos, basta você tomar a iniciativa em buscar ajuda. Fale com os psicólogos do Fepo, são os mais indicados na internet para ajudar não apenas com a claustrofobia, mas em muitos outros problemas que necessitam de acompanhamento.

A pessoa que é claustrofóbica precisa de ajuda no dia a dia, pois qualquer coisa pode ser um gatilho para essas crises.

Deixe um comentário

0
Pedidos