Estresse: conheça os mais diferentes tipos

estresse

Quem nunca esteve estressado algum dia? Às vezes, só pelo fato de que é manhã ou teve que acordar cedo, já é motivo para estresse. O fato é, todos nós nos estressamos e a vida precisa continuar, afinal um estressezinho não mata né? 

O problema mesmo está no seu excesso, pois tudo em excesso é péssimo, e ainda mais nesse caso para a nossa saúde mental. Por isso, cuidado principalmente com a demasia de alguns sentimentos. O foco hoje é no estresse, mas você pode utilizar essas informações como analogia em outros assuntos da sua vida. 

O estresse é um sentimento normal e comum como a tristeza por exemplo, eles existem e não deveriam aparecer com muita frequência. Contudo, se o estresse vem e permanece na nossa mente por muito tempo, talvez já seja hora de investigar! 

Nunca iremos motivar o leitor a fazer o seu próprio diagnóstico sozinho na internet, porém queremos sim incentivar cada vez mais a consulta com um profissional de psicologia. 

Por isso, entenda esse artigo como um meio de deter conhecimento sobre o assunto, e não como alguma verdade absoluta e inquestionável. 

Agora que você entende a importância do assunto, vamos conhecer mais um pouco? 

O que é o estresse? 

Então, o estresse na verdade é uma sensação que consegue desestabilizar completamente, ou em parte, o nosso emocional. 

Nesse sentido, é importante começar (ou manter) um processo de autoconhecimento, pois somente através deste método nós conseguiremos descobrir como lidar com nosso emocional em situações que exijam o nosso máximo.

As causas do estresse podem ser as mais variáveis possíveis, sendo que algumas surgem a partir de irritações ou preocupações, mesmo que diárias, ou de algum medo relacionado com eventos próximos e futuros. 

As causas também podem ser desconhecidas, o que deve ser objeto de procura de alguma ajuda médica – a qual pode ocasionar algum transtorno ou distúrbio mental.

Outra situação em que se deve ligar um sinal de alerta é o fato de que o estresse está atrapalhando a sua rotina, e você não consegue realizar suas atividades já rotineiras da mesma forma que você exercia, por conta desse sentimento de estresse. Além disso, outro fato a ser considerado é quando as sensações internas são exteriorizadas em forma de algum sintoma físico, o que prejudica não só a sua saúde mental, como também a física.

Quais os tipos de estresse?

Ao contrário do que muitos pensam, o estresse pode ser dividido em três tipos, e é o que discutiremos agora. 

1) Estresse agudo: esse tipo de estresse costuma aparecer quando algum acontecimento estressante ou em grandes proporções negativas acontecem na nossa vida. Os sintomas podem ser ainda piores em pessoas com ansiedade, pois o humor muito instável e a falta de segurança ganham destaque nesse cenário. 

Além disso, o corpo também reage e nos dá sinais, que seriam dores nas costas ou na cabeça, uma aceleração nos batimentos cardíacos, alguns problemas intestinais, como gases ou desinteria. 

2) Estresse agudo episódico: nessa situação, o paciente costuma apresentar com uma certa frequência (alta) reações muito intensas em relação ao estresse. Os sintomas se assemelham muito aos do estresse agudo, porém de forma mais prolongada.

3) Estresse crônico: se você percebe que o seu estresse permanece de forma contínua, e isso chega a fazer parte do seu dia a dia, você pode estar diante de um estresse crônico. 

Nesse contexto, os sintomas não desaparecem, o que acaba interferindo nas sias responsabilidades já previamente determinadas. O risco se encontra quando esse estresse crônico se torna uma pré-disposição para problemas com a ansiedade (transtorno de ansiedade generalizada – TAG) ou até depressão.

Os sinais para identificar o estresse crônico costumam ser: desgaste ou esgotamento físico e mental; um mal-estar de forma recorrente; falta de ânimo ou prazer para realizar atividades que já eram de costume; dificuldades apresentadas na hora do sono, em que a insônia ganha espaço. 

Obviamente, entendemos que cada indivíduo apresenta uma característica pessoal e única, logo, todo ser humano pode apresentar algum sintoma diferente do que listamos. 

Aqui reforçamos a importância e relevância do papel do profissional da área de Psicologia, pois só ele vai entender suas particularidades e como usá-las ao seu favor.

Transtorno do estresse pós-traumático 

Alguns eventos ou acontecimentos podem ser tão traumáticos a ponto de deixar marcas eternas em algumas pessoas. Nesses casos, a atenção deve ser redobrada por conta de suas consequências, sendo umas delas o transtorno do estresse pós-traumático (TEPT).

Podemos citar como exemplos desses eventos a presença ou participação como vítima em algum crime, como estupro ou assalto. Em qualquer que seja a situação, o importante é que se cuide da saúde mental deste individuo, pois além do TEPT, outros distúrbios ou transtornos podem ser desencadeados.

Como identificar o estresse?

Como dito anteriormente, e agora ratificamos, os sintomas podem variar de pessoa para pessoa. Nesse texto listaremos os sintomas mais genéricos e conhecidos acerca do tema, então nossa recomendação é que utiliza essas informações apenas como base para alguma dúvida ou suspeita. Vamos lá?

– Um dos principais sintomas é uma aceleração cardíaca (além de batimentos atípicos em relação a sua normalidade) em que é muito confundida com o infarto, nesse caso além da saúde mental, você deve tomar cuidado com a sua saúde física realizando alguns exames para investigar a presença ou não de problemas relacionados ao coração;

– A respiração costuma ser afetada, portanto treine bastante esse exercício de respirar. Respirar é um ato tão natural que nós não percebemos quando estamos fazendo, por esse motivo separe algum momento do seu dia para dar atenção exclusiva para sua respiração. 

Inspirar pelo nariz e expirar pela boca de forma gradual e lenta pode ser uma forma de retomar o seu equilíbrio emocional.

– Alguns sintomas podem estar ligados ao ser físico, como alergias, sensação de cansaço de forma frequente, aparição de acne no rosto e corpo, imunidade cada vez mais baixa, problemas intestinais etc.

Percebe-se que a presença de um psicólogo faz toda a diferença na nossa vida e pode nos ajudar de formas inimagináveis. Esperamos ter te ajudado e que tenha gostado.

Para conversar com um psicólogo, saiba mais aqui.

Deixe um comentário

0
Pedidos