Você sabe o que é a síndrome de burnout?

Você sabe o que é a síndrome de burnout?

Uma semana inteira de trabalho cansa. Responsabilidades inadiáveis, horários e prazos a serem cumpridos, tarefas que apenas você pode executar. É comum sentir o cansaço se abatendo sobre nós com a jornada de trabalho moderna. 

Porém, quando essa fadiga se torna um estado de esgotamento é preciso ficar alerta: você pode estar sofrendo da síndrome de burnout. Não sabe o que é isso? Acompanhe nosso texto e descubra. Sua saúde emocional agradece.

Clique no banner abaixo para agendar sua terapia online com a Fepo:

banner fepo psicologos online

O que é síndrome de burnout?

O termo burnout é de origem inglesa e sua utilização mais comum é para se referir a alguma coisa que parou de funcionar por causa de uma exaustão extrema. A síndrome de burnout, por sua vez, se refere a um problema ocupacional onde o indivíduo sente esgotamento emocional devido a sua rotina de trabalho.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, essa síndrome não é uma doença, mas um fenômeno ocupacional – afinal, ela pode ser reconhecida como um fator multidimensional que quando se manifesta causa um dano ou agravamento no estado de saúde da pessoa afetada.

O Ministério do Trabalho considera que o excesso de trabalho é o principal fator que pode desencadear a síndrome de burnout (SM). Esse excesso de trabalho, entretanto, também vem aliado a outras questões da vida contemporânea: ambientes muito competitivos, relações profissionais desgastantes, responsabilidades que poucos são capazes de suportar.

Além disso, com uma exigência e uma demanda tão grandes na área profissional, como viver a vida pessoal de modo pleno e satisfatório? Pessoas afetadas por esse distúrbio muitas vezes relatam que seu estilo de vida sobrecarregado pelo excesso de trabalho – sem lazer e sem tempo para aproveitar a família e os amigos – está adoecendo seu emocional.

No Brasil, segundo a Associação Internacional de Gestão de Estresse (ISMA), estima-se que 32% dos trabalhadores brasileiros sofrem de esgotamento no seu ambiente de trabalho. Esse esgotamento, quando não tratado, pode resultar em depressão e crises nervosas.

Não há uma regra para quem pode sofrer de burnout, mas certos profissionais estão mais suscetíveis, principalmente aqueles cuja profissão demanda um envolvimento mais intenso e direto. Professores, assistentes sociais, profissionais da área de saúde, policiais e bombeiros possuem uma maior chance de serem afetados por essa síndrome.

profissional de saúde burnout

Além disso, as mulheres costumam desenvolver o transtorno com mais frequência que os homens. Isso ocorre porque na nossa sociedade ainda é comum que as pessoas deste gênero exerçam uma jornada dupla: o trabalho de cuidar da casa e dos filhos também pesa.

É possível reconhecer esse distúrbio através dos seus três pilares principais: exaustão, ceticismo e ineficácia. Se você se sente exausto, tem certeza de que não exerce adequadamente as funções para as quais você é contratado e não é capaz de se identificar com aquilo que faz, talvez você deva procurar ajuda.

Quais são os sintomas da síndrome de burnout?

Segundo o Ministério da Saúde, a Síndrome do Esgotamento Profissional (outro nome para o mesmo distúrbio) apresenta como principais sintomas físicos e mentais a seguinte lista:

Qual é a diferença entre a síndrome de burnout e o estresse comum? 

Embora o burnout possa ser confundido com um quadro comum de estresse, é essencial saber que eles são diferentes. Sentir-se estressado é uma das reações que o corpo tem ao passar por situações de enorme esforço emocional. 

Nesses casos, somos capazes de facilmente reverter essa situação com alguns cuidados paliativos básicos (se afastar da situação, respirar fundo, conversar com alguém de confiança). No caso da síndrome de burnout, todavia, a sensação de que não somos capazes de lidar com a situação é constante e permanente.

Como é feito o diagnóstico da síndrome de burnout?

O diagnóstico é feito através da análise clínica do paciente por um profissional da área de saúde mental, como um psicólogo ou psiquiatra.

Esse profissional busca identificar no paciente a presença dos três pilares fundamentais da síndrome de burnout exaustão, ceticismo e ineficácia – e descobrir se essas características necessariamente estão associadas ao campo de trabalho.

Qual é o tratamento da síndrome de burnout?

A principal (e mais bem sucedida) forma de se tratar o burnout é através da psicoterapia. Quando o quadro está muito acentuado, medicamentos como ansiolíticos e antidepressivos podem ser receitados pelo profissional de saúde.

Junto disso, algumas mudanças no estilo de vida podem ser bem vindas! Praticar um exercício físico e priorizar momentos de lazer com aquelas pessoas queridas podem ajudar significativamente a superar a síndrome de burnout.

Afinal, como evitar a exaustão e viver melhor?

Não há receita mágica para se evitar o esgotamento emocional e mental que uma carga de trabalho pesada pode causar. Entretanto, há algumas dicas simples que podem ajudar:

Se você se sente esgotado, sem perspectiva e inapto para a sua posição profissional, considere que você pode estar passando por muito mais do que um quadro de estresse. Pode ser que você sofra da síndrome de burnout.

A melhor forma de superar esse momento difícil começa por você: não deixe para depois, procure agora um profissional de saúde mental.

Conheça a Fepo e descubra uma plataforma de terapia online acessível e especialistas qualificados para ajudar a desenvolver sua saúde emocional e driblar a síndrome de burnout. Você merece viver bem!