Síndrome do pânico

Você sofre de reações físicas súbitas e fortes, como palpitações, tonturas e sudorese? Se isso acontecer repetidamente e levar a consequências negativas, pode ser a síndrome do pânico, um distúrbio de ansiedade comum.

Esse transtorno afeta em média 1,6% da população em nível mundial, impactando a vida assim como as relações em sociedade. 

No pânico são recorrentes o medo ou a ansiedade diante de uma situação sem perigo aparente, como resultado as reações físicas. 

Para os portadores é assustador, muitas pessoas sentem como se estivessem perdendo a própria vida. 

O início 

Momentos difíceis costumam desenvolver situações de estresse em algumas pessoas, principalmente quando estão relacionados a perdas, isso pode ser um gatilho para uma primeira crise. 

Muitos outros acontecimentos podem gerar a síndrome do pânico como por exemplo: agressão sexual ou física, tabagismo, fatores genéticos, etc. 

O transtorno do pânico não possui cura, no entanto com tratamento adequado os sintomas tendem a diminuir e, podem até desaparecer em alguns meses.

Recorrendo a um dos psicólogos do Fepo, o paciente terá ajuda para superar o pânico, porém os resultados podem levar tempo e exige esforço do paciente. 

Um ataque de pânico ocorre rapidamente e é avassalador. Muitas vezes parece que você vai enlouquecer ou perder o controle. Os sintomas atingem seu pico em 10 minutos e depois diminuem.

Com o tempo, sua vida pode se tornar mais limitada e a ansiedade pode começar a controlar sua vida cada vez mais. Então você pode ter síndrome do pânico. Se estiver sendo tratado, poderá aprender a gerenciar seu transtorno para que ele não afete tanto sua vida. 

Para chamar de síndrome do pânico, são necessários 4 dos 13 sintomas a seguir:

  • Taquicardia
  • Sudorese
  • Tremores
  • Falta de ar
  • Sentimento de asfixia
  • Dor ou desconforto no peito
  • Náusea ou dor de estômago
  • Golpes, instabilidade ou sonolência
  • Sentimentos da realidade para você ou para o meio ambiente
  • Medo de perder o controle ou ficar bravo
  • Medo de morrer
  • Dormência ou formigamento
  • Calafrios ou ondas de calor

Características típicas 

Para que o diagnóstico da síndrome do pânico seja atendido, os ataques de pânico devem ocorrer repetidamente. Além disso, pelo menos um dos seguintes sintomas deve ocorrer:

Preocupação persistente com novos ataques de pânico.

Medo de que os ataques de pânico levem a consequências negativas (por exemplo, se preocupar em sofrer um ataque cardíaco ou enlouquecer).

Comportamento alterado devido aos ataques (por exemplo, evitando situações em que você tem medo de ter um ataque de pânico).

Consequências

A ansiedade de expectativa é um medo constante de novos ataques e, a longo prazo, pode se tornar tão estressante quanto o próprio pânico.

Isso pode fazer com que você se concentre excessivamente em seu próprio corpo e em vários sintomas que você acredita que possam indicar um próximo ataque de pânico.

É comum desenvolver agorafobia, ou seja, medo de lugares e situações difíceis de evitar, se você tiver um ataque de pânico e, portanto, começar a evitar. Mais da metade das pessoas com síndrome do pânico sofrem de agorafobia.

Se você tiver um ataque de pânico, é comum você:

  • Sentir o coração bater forte ou rápido;
  • Fica difícil a respiração ou sentir um peso sobre o peito;
  • Ficar com dor de estômago, enjoar-se ou sentir um “nó” na garganta ou no estômago;
  • Suar frio;
  • Sentir tontura;
  • Pode sentir-se enganado;
  • Sentir formigamento ou dormência nas mãos ou nos pés;
  • Diarreia;
  • Tremendo, ou sentindo-se fraco nos músculos.

Você pode ter um ou mais dos sintomas acima. 

O que posso fazer no momento de um ataque de pânico?

Se você sentir um ataque de pânico, tente o seguinte:

Tente respirar calmamente. Descreva por si mesmo o que está acontecendo agora em sua mente e corpo.

Permita que seus pensamentos e sentimentos sejam exatamente como são. O que você sente são reações naturais de ansiedade no corpo. Espere e sinta a ansiedade diminuir. 

Você talvez possa gostar: Sintomas da Síndrome do pânico são parecidos com os do infarto.

Os sintomas podem ser muito desagradáveis ​​e são porque o portador do transtorno exala mais dióxido de carbono do que o habitual. Quando você começa a respirar normalmente, a quantidade de dióxido de carbono expirada diminui e, em seguida, a sensação desagradável geralmente desaparece.

Tratamento para síndrome de pânico

A síndrome do pânico pode ser tratada com um psicólogo ou medicação ou uma combinação de ambos. 

Uma forma de psicoterapia chamada terapia cognitivo-comportamental, geralmente funciona bem para a pessoa que sofre com a síndrome do pânico

Os medicamentos podem ser combinados com outros tratamentos, como atividade física ou terapia conversacional. Aprender a lidar com sua ansiedade também é uma parte importante do tratamento. 

Quando devo procurar ajuda profissional?

Se os problemas relacionados ao transtorno do pânico afetam e limitam sua vida, procure ajuda o quanto antes. Se o transtorno do pânico for baseado em trauma psicológico a terapia será útil. 

Alimentos benéficos

Os alimentos ricos em antioxidantes ou ácidos graxos ômega 3, apoiam o corpo. Por exemplo, os ácidos graxos ômega-3 são encontrados na linhaça, nozes e óleo de peixe. Você pode encontrar antioxidantes em repolho, brócolis, espinafre, frutas.

O que ajuda com ataques de pânico? 

Algumas dicas que podem ajudar no transtorno do pânico são: Exercite-se regularmente, evite tensão permanente, durma o suficiente.Evite o baixo nível de açúcar no sangue / coma regularmente e com saúde. Evite cafeína, nicotina, álcool e outras drogas. Mais dicas e opções de tratamento podem ser encontradas Aqui.

Deixe um comentário

0
Pedidos